História da Raça 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Todos os spaniels britânicos descendem dos espanhóis, descritos por Gaston Phoebus em seu célebre tratado sobre a caça de 1387, introduzidos na Grã-Bretanha a partir da Idade Média, no século XIV. Esses cães mais ou menos selecionados por sua utilização variam do “springing spaniel”, grande e forte, até o “toy spaniel”, bem pequeno. Todos com o pêlo claro e sedoso e de caráter doce e brincalhão.

No entanto, serão os ingleses que irão trabalhar a raça. Em 1570, John Keys, futuro médico da rainha Elisabeth I, elabora uma lista completa das raças presentes na Grã-Bretanha, mencionando os spaniels, importados da Espanha e estabelecidos na ilha há muito tempo. A partir do século XVIII a nobreza inglesa distinguirá diversas variedades entre estes cães.

No século XIX, com a ascensão da caça com fuzil, a raça será afinada pelos ingleses, com a criação do English Springer Spaniel, do Clumber Spaniel, do Sussex Spaniel, do Field Spaniel, do Irish Water Spaniel e, claro, do Cocker Spaniel English.
Até 1850, o peso parece ser o critério principal de seleção, assim os cães pesando 12,5 kg são declarados “woodcockers”, ou seja, pequenos modelos especializados na caça de perdizes, codornas, galinholas (woocock), maçaricos e narcejas.
O cruzamento de “toy Spaniel” (King Charles) contribuiu para a diminuição do tamanho do woodcocker.

O Inglês James Farrow foi o pioneiro na criação da raça Cocker, com seu cão Obo (nascido em 1879), um cocker extraordinário que influiu com seus cruzamentos por gerações na criação dessa raça. Em 1894 nasce no mesmo canil, o célebre campeão “Ted Obo”, de cor preta, considerado o arquétipo do cocker, medindo 25cm até a cernelha. 
Em 1893, o Kennel Club reconhece a raça e proíbe, em 1901, a utilização da balança para a seleção favorecendo os criadores porque além de simplificar a criação desses, contribuiu para um maior desenvolvimento da raça.
Em 1904, no mesmo ano da inauguração do clube inglês, nasce o soberbo macho “Bebbe”, ancestral de todos os cockers dourados.
Em 1880 a raça foi introduzida no Canadá e nos Estados Unidos (USA) e em 1885 faz sua aparição na França, fazendo enorme sucesso ao lado dos caçadores de coelhos. Os criadores franceses se agrupam no Spaniel Club em 1898.
Dizimado da Europa durante a Grande Guerra, o plantel se reconstituirá rapidamente nos países europeus graças à dedicação de vários criadores. Na década de 50, a diminuição de coelhos, transformou o cocker de cão de caça em cão de companhia e a partir da década de 70, a raça pagou, um alto preço pela sua popularidade, devido ao desaparecimento de alguns criadores e ao surgimento de “fábricas” de Cockers. Nesse momento iniciou um declínio importante em sua qualidade, vindo daí a fama dos dourados bravos, etc. 
Vinte anos mais tarde, livres dos comerciantes de cães inescrupulosos, o clube da raça relança com sucesso na Europa, o belo e o bom cocker.
Atualmente, a popularidade do cocker se deve às suas qualidades de cão de companhia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Refêrencia: 
- Elenice, Artigos - Cocker Spaniel Inglês – Norbu e Shanti. Disponível na internet em http://norbu.com.br/xoops/modules/articles/article.php?id=6, enviado em 19/11/2007
- Infante, Marcio. Cocker Spaniel : companheiro alegre e brincalhão (3° edição). São Paulo: Prata editora, 2007 

Gentilmente cedido por Michele Pires (Canil Sweetgale's - SP)

TedObo.jpg
historia01.jpg